Filipa-O meu mundo

Mostra que consegues ser um detective e investiga este blog de uma ponta á outra!

Thursday, July 19, 2007

Saturday, December 30, 2006

Feliz Natal a todos !!!!
Queridos amigos, esta é a ultima vez que aqui escrevo antes do
ano novo e por isso resolvi deixar-vos aqui algumas imagens animadas que podem usar para alegrar os vossos blogs e tambem vim
dezejar a todos um óptimo Natal com muito amor, alegria e ... presentes, claro!
Hoje resolvi roubar ... não, não! Que palavra feia! Tirar... assim está melhor. Vou começar de novo: Hoje resolvi tirar uma história á minha professora ( desculpe professora Teresa mas não consegui resistir ... ) e portanto aqui está:


O Gaspar é um cão pachorrento e meigo. Pesa muitos quilos mas não sabe. Porque os cães não percebem nada dessas coisas de balanças e medidas. O problema é que, por causa disso, e por causa de nós nem sempre entendermos muito bem as palavras dos olhos deles, podem acontecer coisas estranhas. Por sorte, ofereceram-me um dicionário de olhar-palavras (eu nem sabia que existia um).
Oh Gaspar! Agora já percebi!

O Cão que queria ser Gato


Lá em casa havia três gatos e um cão.
Três gatos levezinhos, cada um de sua cor, que se moviam de um lado para o outro quase, quase sem se dar por nada. Trepavam às bancadas da cozinha só por distracção, para fazer exercício, ou para comer quando a fome aparecia a dizer olá nas suas barrigas.
O Horácio era um senhor, cheio de humores. Para os da casa não havia surpresas, só mimos, para as visitas... dependia da disposição do dia.
A Chica era uma princesa tímida... nem se via. Para os da casa, tudo. Para as visitas, quase nada! A verdade é que tinha as suas razões, e como não são umas razões coloridas, não me apetece falar delas agora.
O Pestinha... bem... era um verdadeiro pestinha. Para os da casa, partir o que se podia, por entre brincadeiras e saltos. Para as visitas, abraços e trincas. Olhava para todos como se não estivesse a olhar para ninguém e o seu olho azul ria-se a toda a hora.
A vantagem de ser gato é, sobretudo, pesar pouco e ter o pêlo muito muito macio. É uma combinação infalível para ocupar, sem pedir licença, todos os colos possíveis. Todos os pretextos são bons: a casa de banho (sentamo-nos e eles chegam), a televisão (sentamos-nos e eles não se importam com o programa que escolhemos), a cama (bem... é tudo tão fofo e quente numa cama que o colo nem faz muita falta...).
Por tudo isto, e juntando algumas horas de liberdade num jardim, os gatos parecem sempre felizes e em paz. Pedem pouco, e quando o fazem não é bem um pedido, é mais uma exigência. Geralmente a resposta é sim, até porque há miados que não apetece ouvir por mais de cinco minutos...
E então o cão?
Não foi esquecido.
O Gaspar tinha daqueles olhos castanhos que habitualmente dizemos serem meigos e doces. Ou era isso que parecia. A mim sempre me pareceu ver lá mais qualquer coisa, mas não sabia muito bem o quê. Às vezes parecia uma pergunta, outras um lamento. Em certos momentos parecia uma lágrima, um cinzento escondido dentro do castanho. Isso acontecia muito quando tentava trepar por nós acima como se pretendesse ir discretamente, sem repararmos, até ao nosso colo e lá se aninhar perdido para dormir e nós lhe explicávamos com muitas palavras que não podia ser, que ele era muito grande, muito pesado, muito comprido, que não cabia, que não aguentávamos com o peso... Quando a insistência era maior, o último recurso era dizer bem alto e com um ar zangado: P’ró chão! P’ra baixo! Não salta! E ele ia. E ele parava. Deitava-se, punha a cabeça entre as patas da frente e ficava a olhar. Percebi depois que ele não ficava a olhar, ficava a pensar, a falar, a dizer coisas. Era nesses momentos que os olhos pareciam ter mais qualquer cor lá dentro.
O Gaspar via os gatos a subir para os colos da casa e não entendia a diferença. Penso até que durante muito tempo acreditou que gostavam mais dos gatos do que dele e pronto, não havia remédio para tudo o que sentia. Deixou de acreditar nisso, porque afinal de contas era muito mimado, faziam-lhe muitas festas e, na verdade, num dia em que havia ficado sozinho em casa tentou saltar para a bancada da cozinha atrás do Pestinha, mas não conseguiu. Percebeu então que devia haver uma diferença, mas não entendia qual. Estaria gordo de mais? Precisaria de fazer uma dieta? Gostando de comer como gostava, foi coisa que nem lhe passou pela cabeça. Queria um colo, pois queria, mas um sacrifício desses tornava o colo ainda mais distante! Nunca conseguiria recusar a comida que lhe davam... Ou seria outra a razão? O que tinham as outras patas da casa, que ele não tinha, que lhes permitia passar o dia mais perto do céu, deixando-lhe a ele apenas o chão, o cesto, os pés?
Foi sorte eu ter percebido. E quando percebi, chamei-o à parte e expliquei-lhe tudo. Que ele era um cão, lindo, grande, comprido, pesado, único e os outros eram gatos, uma coisa muito diferente. Perguntou-me o que era um cão, o que era um gato e eu lá lhe tentei explicar que um cão era uma espécie de coração grande, bom e altruísta, em quem se podia confiar, uma prenda do céu para nós, mas que tinha de viver mais perto do chão vigiando os nossos passos, ajudando-nos em todos os momentos. E depois disse que um gato era assim uma espécie de quase-pássaro, sem asas, sempre a ver se chegava mais alto, que fingia não se importar com nada, embora se preocupasse com tudo, para que ninguém o aborrecesse muito. Uma espécie de gafanhoto com pêlos que adorava saltar, fugir, brincar!
Foi asneira.
Tive de ouvi-lo a chorar por muito tempo lamentando a sua sorte de cão sem patas de gafanhoto ou quase-asas, feito cobra rastejante. Cão ainda por cima dos grandes (ele sabia que havia uns pequeninos que eram quase-gatos) e comprido, que não cabia no colo de ninguém. Por entre os lamentos que ninguém ouvia, só eu, sussurrava que queria ser um gato, era só isso que queria, queria um colo, um céu só para ele, um armário alto para dormir.
Como se resolve uma coisa assim? Não se resolve.
Era preciso que voltasse a gostar de ser cão e dos grandes. Que percebesse que a diferença tinha lá dentro coisas boas para ele que os gatos também sonhavam e não tinham.
Rebolei com ele pela relva do jardim. Pelo chão da casa. Abracei-o. Deitei a minha cabeça em cima do corpo dele. “Tu és o meu colo” disse-lhe. “Só tu tens tamanho para isso”. A seguir levei-o à praia e mergulhámos os dois debaixo das ondas frias, corremos até cair na areia quente atrás de bolas que umas vezes havia e outras não. Não havia gatos por perto. Mas havia outros cães. E ele percebeu.
Os gatos lamentam o medo que têm da água. Não falam disso muitas vezes, mas é uma mágoa que os aflige nos dias de calor, sobretudo quando a casa se esvazia e quem lá mora regressa cheio de areia nos pés e de sal no corpo.
Acho que o Inverno este ano foi longo e as memórias do Verão passado apagaram-se dentro do Gaspar. Choveu muito, saímos pouco. Trabalhei demais. Às vezes o tempo passa muito depressa e não damos pelo caminho. Não damos pelos olhos dele. Os olhos do caminho são para ser olhados de frente, todos os dias.
Olho mais vezes para os olhos do caminho agora. Para os do Gaspar também.
Ultimamente é só mesmo um castanho doce e meigo o que vejo dentro deles. Uma paz contente, às vezes cortada por um olhar discreto, mas cheio de palavras, dirigido ao gato aninhado no meu colo: “Deixa-te estar aí. Quando ela estiver cansada, é no meu que se vai aninhar... e depois há o Verão, a praia... uma coisa cheia de um céu de água chamado mar, uma luz quente, colos de areia, asas frescas e voos longos que tu nunca vais saber o que é, nem eu te consigo explicar!”


História retirada do site: www.saborsaber.com. Autora: Teresa Martinho Marques.

Monday, December 18, 2006

Já conhessem o blog do meu maninho? É muito divertido e está a precisa de comentários!
Beijinhos,
Filipa

Saturday, October 21, 2006

E o meu presente este mês é ... um relógio super fofinho! Tenho tido pouco tempo para vir aqui por causa da escola e para vos compensar aqui está uma pequena surpresa!
Gostam? Deixem um comentário ok?
Beijocas fofas da Filipa

Thursday, October 05, 2006

Dia Mundial do animal!

Pois é! Há uns dias atrás foi o Dia Mundial do animal! E não há melhor maneira de homenagear
os nossos bichinhos do que com um … concurso!
É muito simples. Se queres ganhar escreve nos comentários
uma frase sobre o teu bichinho tão especial.
Os vencedores terão direito a ver a sua frase publicada no meu blog juntamente com a foto do seu animal de estimação
!
Não deixes de participar!

Thursday, September 14, 2006

Braço biónico
A Nova maravilha da Ciência


Chama-se braço biónico porque é um braço que se mexe com o pensamento,ou seja,serve que pessoas que perderam este membro possam ter um que iguale as funções do original.
A agencia Lusa afirma que Investigadores do Instituto de Reabilitação de Chicago, estado norte-americano do Illinois, testaram com êxito num paciente um braço biónico. O braço artificial foi aplicado a Jesse Sullivan, um homem que perdeu os dois membros superiores ao tocar em cabos de transporte de energia, quando fazia reparações nas linhas, em Tennessee. "Quando Jesse pensa em fechar a mão, o impulso é recolhido por um transmissor que o envia para a mão artificial e esta fecha-se ", afirmaram os investigadores.
O braço tem uma capacidade de rotação de 360 graus e actua poucos segundos depois de receber a ordem de movimento. Qando este fantástico instrumento for aperfeiçoado vai possuir sensores minúsculos, que vão permitir ao paciente recuperar, em certa medida , o poder do tacto e a sensibilidade ao calor.O braço artificial, segundo os investigadores, vai mudar a vida de pessoas que vivem sem os membros superiores, de doentes com lesões na coluna vertebral ou vítimas de ataques apoplécticos.

Este braço tão abilidoso foi muito recentemente colocado a uma mulher, que não podia estar mais feliz com os resultados! Muitissimo satisfeitos ficaram tambem os investigadores que já estão a pensar em criar uma perna biónica!
O preço final calculado para cada braço será de seis milhões de dólares (cinco milhões de euros...uiii).

Ambos os donos destes instrumentos estão maravilhados com o que ele pode fazer!

Impressionante não é?

Filipa:)

Thursday, August 17, 2006

Morreu o animal mais velho do Mundo!
Era uma tartaruga, vivia na Australia, pesava cerca de 150 quilos e tinha 176 anos. Não admira que fosse o animal mais velho do mundo. Há mesmo quem garanta que deu uma ajuda à ciência. Tudo porque terá sido analisada pelo cientista Charles Darwin, antes da publicação da Teoria da Evolução das Espécies, uma das mais importantes de sempre.
.......................................................

Novo template? Outra vez?
É verdade! E como o côr-de-rosa nunca fica fora de moda... é da côr do meu 1º template.
Comentem e se quiserem deem sugestões de outros templates que gostariam de ver aqui!
Beijocas a todos
Filipa:)
:::
* Não se esquessam das adivinhas! Ainda estou á espera de respostas.

Sunday, July 23, 2006

Um link divertido:
Gostavas de saber que possiblidades tens de "ficar" com o rapaz de quem gostas?
Então vai aqui:
Boa sorte :P
Filipa

Saturday, July 22, 2006



Mensagens Invisiveis:

Esta ideia funciona como um código secreto: dá para escreveres a alguém sem que outras pessoas consigam perceber.
Vais precisar de:
Sumo de limão
Papel
Pincel ou pauzinho
Ferro de engomar

Para escrever a mensagem:
Espreme o limão até teres o sumo (com espremedor ou com as mãos e para dentro de um recipiente). Molha o pincel ou pauzinho no sumo de limão, e depois é só escrever.


Depois de a mensagem secar para veres o que está escrito, basta passares a folha a ferro, pois com o calor do ferro de engomar, a mensagem aparesse! Fácil e divertido!


Beijocas e boas férias!
Filipa:)

Wednesday, July 19, 2006

Novo Visual
Consegui mudar isto, não foi? E que grandes mudanças!O " visual novo " veio tarde mas...aqui está ele! Girissimo não achas? Estou a tornar-me uma craque! Mas isto é só o inicio...!Daqui a duas semanas coloco outro template. Vem fazer-me uma visitinha!!!
Aguardo comentários teus!
Beijocas,
Filipa:)

Saturday, July 08, 2006






Adivinhas
....................


E aqui vão umas fantásticas adivinhas para te intreteres
nos próximos dias de férias:

A fácil...(esta todos podem adivinhar):

O pai da Marta tem cinco filhas:
a Lálá, a Lé Lé, a Lili, a Lóló e a...?


A média (só tens de pensar um pouquinho):

Ando sempre acompanhada
pois só não posso viver
Se me morrer a companheira
eu logo hei-de morrer
O que sou eu ?


E...as dificeis:

Qual o nome de uma mulher, que é o contrário do nome de um rio ?
O nome é _ _ _ .

O que é que uma formiga
tem a mais do que um boi ?
Fico á espera de respostas!!!
Beijocas a todos os meus leitores
Filip@:)

Friday, July 07, 2006

E-books:

Durante centenas de anos as pessoas liam os livros sempre em papel. No entanto, com o aparecimento da informática e dos computadores, há alguns anos, tudo isso mudou... É que, com o computador e a Internet, apareceu uma nova forma de ter e ler livros: o e-book.

E o que é isso ?

Os e-books são livros electrónicos, em formato digital ( imagem ao lado ), ou seja, é um arquivo de texto (com imagens) qualquer (tipo Word), só que em vez de ter umas cinco ou dez páginas, pode chegar a 300 ou 400 páginas de fácil leitura no computador ou com a ajuda de um aparelho próprio.
Durante algum tempo, as editoras ainda tentaram lutar contra a sua existência, mas depois compreenderam as suas vantagens e começaram a comercializá-los como outro produto qualquer.Mas não penses que os leitores aceitaram o e-book com muita facilidade. Se assim fosse, a tua mochila da escola andaria muito mais leve! :)
Apesar de haver muita gente que só usa e-books, as pessoas ainda desconfiam muito desta nova forma de leitura: ler no ecrã cansa muito os olhos, não temos "aquele" contacto com o papel e, sem o computador a funcionar, nada feito...

Vantagens e Utilidades:

As vantagens dos e-books são imensas: poupa-se muito dinheiro em papel e em tinta (o que ajuda o meio ambiente), os livros são mais baratos, mas o trasporte e distribuição deste novo aparelho é muito mais simples ou até inexistente.
Sabias que num leitor de e-books podes levar mais do que um livro? Podes até levar uma data deles! E isso é uma grande vantagem. Outra grande vantagem é que alguns livros que estavam esgotados ou que são difíceis de encontrar passam poder a estar disponíveis em forma de e-book, sem que a editora corra um grande risco.
Com esses leitores de e-book (que são leves e próprios para armazenar e-books), podemos fazer várias coisas que nos facilitam muito o trabalho. É possível aumentar o tamanho das letras, sublinhar partes importantes, marcar em que página íamos e fazer anotações (digitais, claro).E quando quisermos emprestar o livro a alguém (um livro escolar, por exemplo) podemos apagar todos os sublinhados e anotações e o e-book fica como novo. O melhor é que alguns destes aparelhos já vêm com um dicionário instalado. Assim, quando surge alguma dúvida, basta clicar na palavra e a definição aparece.

Pelos vistos, as vantagens são maiores do que as desvantagens, mas é claro que o objectivo não é fazer com que os livros em papel desapareçam. A ideia é ter mais um meio disponível para ver coisas, ler e aprender mais. Até porque, como se costuma dizer, quando apareceu a fotografia a pintura não acabou... E quando apareceu a televisão e os DVD, as pessoas não deixaram de ir ao cinema...

Quem diria que a tecnologia chegaria a este ponto... o máximo, não é ?
Eu quero um e tu ?
Filip@:)